cidades invisíveis

www.cidadesinvisiveis.com.sapo.pt

com: Joana Mota e Fátima Lopes

trabalho realizado em 2005

no âmbito da disciplina de Desenho Gráfico I_quarto ano

professores: João Cruz e Miguel Carvalhais

Projecto desenvolvido a partir da narrativa literária As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino.

Após uma breve pesquisa acerca da obra, realizada na internet, encontrámos a seguinte citação que serviu de base para o nosso trabalho Tendo Calvino feito apologia do romance como grande rede, um romance que tende para a multiplicidade dos possíveis, arrisco-me a operar cruzamentos entre os procedimentos narrativos de As Cidades Invisíveis e a teoria da obra aberta, da obra em movimento e do hiper-texto electrónico. Leio essa obra como quem penetra num labirinto procurando abrir muitas das suas portas, rasgando horizontes oferecidos pelo tipo de escrita hiper-textual. É uma obra curiosamente construída de forma a dar passagem a muitos outros universos, somando-se a tantas outras engenhosamente modeladas por escritores audazes como Borges, Cortázar, Pávitch, escritores que fizeram da literatura um jogo, ultrapassando todos os limites, numa busca constante de novas formas de expressão. (entretanto offline).

A finalidade do trabalho era partir do texto e cruzá-lo com outros textos (hiper-texto), outros meios (multi-média ou hiper-média), outras formas de narrativa (não linearidade, hiper narrativa) e outras formas de experiência (reactividade, interactividade, interface, etc.). Tratar-se-ia, portanto, de criar mais do que uma narrativa, isto é, várias narrativas através de uma estrutura que propusesse várias formas de ser percorrida e/ou experimentada, conducentes a diferentes conclusões, dependentes da utilização do(s) leitor(es).

Respondendo ao repto lançado, optámos por aplicar a estrutura externa do livro a outros meios e outras formas de narrativa e de experiência. Deste modo, procedemos à criação de um site. Este possibilita-nos a disseminação de informação, de forma rápida e eficiente, para um público vasto e sem limites geográficos, mas de forma individualizada, possibilitando-nos também explorar os conceitos de hiper-narrativa e multi-média já mencionados.

Desenvolvemos a nossa estrutura narrativa através do recurso ao som e ao texto, explorando as várias possibilidades desta linguagem, como por exemplo a existência de cor plana ou de padrões.

A página inicial do site apresenta o esquema da estrutura externa do livro. Nesta página podemos encontrar onze links que se referem aos onze temas presentes na obra: memória, desejo, sinais, subtis, trocas, olhos, nome, mortos, céu, contínuas, ocultas. Estes aparecem sob a forma de abreviatura: mm, ds, sn, sb, tr, oo, nm, mo, ce, co, oc, respectivamente. As nove linhas horizontais referem-se aos nove capítulos do livro e as cinquenta e cinco abreviaturas correspondem ao número de cidades nele descritas. A organização descendente e diagonal do esquema da página inicial tem a ver com a nossa interpretação do livro e com a coincidência de temas na linha vertical.

A partir de cada link, o utilizador tem acesso a uma das cinco cidades que fazem parte desse tema e que surgem de forma aleatória, o que permite que se percorra a obra de maneira imprevista.

Cada cidade é apresentada por um pequeno excerto do livro e por, pelo menos, uma faixa de som. Algumas palavras funcionam como links para outras cidades que contenham essas mesmas palavras ou parte delas. O som activa-se com a abertura da janela e cessa com o encerramento desta, podendo ser controlado pelo utilizador. O elemento sonoro contextualiza a cidade em questão, criando um determinado ambiente.

Os links acedidos abrem sempre em novas janelas, de 400x400 pixels, para que o utilizador possa escolher as que pretende manter abertas. Isto permite também a simultaneidade de sons e de imagens e a interactividade entre estas. Este facto impede um retrocesso no percurso da obra. E porque a Internet é um sistema de informação à distância, e porque o que nela é visionado difere de computador para computador, optámos por permitir que o utilizador possa redimensionar as janelas, de forma a não perder nenhuma informação.

Todas as páginas referentes às cidades possuem um botão com o seu nome, que dá acesso à página inicial. Assim, o utilizador poderá voltar ao início sempre que desejar.

A tipografia é condicionada pelo ambiente da Internet. A nossa escolha restringiu-se a fontes serifadas ou não serifadas consoante as páginas.

O acompanhamento dos docentes foi fundamental para este projecto, uma vez que nos indicaram alguns sites mais relevantes, facilitando-nos também o entendimento da matéria em causa.

O site pode ser visitado em www.cidadesinvisiveis.com.sapo.pt.